Boatismo.

About
Nightclubbing Neon Bible

***

Um estudo sócio-cultural sobre a vida noturna, sua incrível fauna e seus fascinantes hábitos.

***

contato@boatismo.com
facebook.com/boatismo
@boatismo

Sunset On A Yacht Mixtape vol.1 by Daltonhtc on Mixcloud

JÁ É SEGUNDA-FEIRA DE NOVO?!

A vida voltou ao normal, pessoalzinho e não há mais dúvidas sobre o dia que brilha lá fora. 

A gente anda otimista até mesmo pruma segundona e recomenda que vocês façam o mesmo. É dureza, a gente sabe. Mas quem não chora não mama e quem espera sempre alcança as mais altas penthouses da cultura universal. Não entendeu? Nem perde seu tempo, amizade, aumente o volume, ignore a cara de cu da Janete do RH e bora aquecer os corações.

Haja energia positiva. A gente aqui tá fazendo a nossa parte.

Dá o play!

| 1 note
SO LET’S KEEP DANCIN’

A uruca come solta mundo afora e aqui a gente tá só ensaiando o sorriso amarelo e preparando o estoque alcóolico pra suportar as próximas horas e dias. Tá fácil não galere.

A pista que o diga - os promoters pelo visto combinaram uma sexta do fondue e deixaram o role na mão. Boa sorte, chacretinhos. De resto, a gente separou o creme (e o resto) pra você se divertir. Ou, ao menos, tentar. Se nada agradar, faça a Peggy Lee e cante com a gente: is that all… there is?!

SEXTA-FEIRA

Shuffle @ Squat 
Enquanto o resto relaxa, os asiáticos mantém o estereótipos e saem na frente. A gente aqui agradece, viu? A japa mais amada da cidade aquece os corações com ritmos misturados e muito amor no Squat que vai ter drinks delicinhas pra espantar qualquer mau humor. A gente aprova e cola pra começar o finde com os dois pés direitos. Ou de quatro logo, sem dignidade nenhuma.

*

Heroína @ Purgatorium 90
A proposta é interessantinha mas a verdade é que só está aqui por falta de opção mesmo. Tá corajosa, amig? Colaê!

*

Brasucália @ Jongo Reverendo 
Sua brasilidade nagô não estará desacompanhada na casa que já foi testada pela nossa equipe e já rendeu ótimos comentários iniciais. A visita oficial se aproxima e esta é a noite para você formar a sua opinião. A festa conta com a experiência de Tutu Moraes, então tá beleza, neam? Venha.

SÁBADO

Mel @ Homelete
Horário gostosinho, pra você ainda siacabar na noite, a festa começa as 19 e acaba as 2, então é pra chegar cedo, dançar como se não houvesse amanha e encher a praça de amor. Tudo isso de graça e cheio de graça, por favor. Como sempre, música boa, gente absurdinha, performance e alegria de viver em todo canto. Se fosse você não perdia. 

*

Chatuba @ Squat
A única coisa que esse nome nos remete é isso aqui. Né? De resto a festa promete bagunça. O que assusta, já que a entrada masculina mais barata é 30 dilmetes. A gente aqui tá bem tranquilo, já que bagunça pode significar um leque de emoções que vão da mistura mais maravilhosa de sons improváveis para simplesmente tortura sonora. Em duas palavras: sei lá.

*

Indie Colosso @ Neu
A festa raiz tru do indie chega ao tricampeonato invicta e traz pro seu time estrelado aquele que faz nossas noites sempre mais feliz. Gorky alumiará as picapes do Neu com sua sapiência musical e quem ficar parado não sabe de na-di-nha.

*

Killing The Dance @ Mundo Pensante
Lembra quando a Killing era alguém na noite? Era na mesma época que uma das suas donas aterrorizava a noite com seu reinado nefasto. A festa acabou, a dona foi curtir um auto-exílio nazoropa e nesse período a noite, surpreendentemente… sobreviveu! Agora a festinha volta, em local novo (já que o Gloria morreu, e não pega bem ser visto por lá, néam?) e com um line-up invejável. Uma pena que a dona também retorna (ou tenta), pra estragar. A gente dispensa, e espera que tudo isso volte pra vala do esquecimento de onde nunca deveria ter saído. Not today, satan. Not today.

*

Free Beats @ Factory
O projeto completa dois anos e a comemoração não poderia ser mais do que merecida. Quem nunca foi simplesmente tá perdendo tempo (serião amigs, dois anos de várias festas grátis por aí, vai…). A festa vai ser pesada e cheia de atrações que dispensam apresentação. Vem com tudo. Cheers!

*

Nêga @ Anexo B
A Nêga é do <3 e a gente não perde por nadinha. Sair de lá pingando de tanto dançar (ou porque o ar-condicionado do Anexo não funciona direito) é regra. Venha sem critérios e se divirta sem limites. 

DOMINGO

Selvagem @ Paribar
A despedida. MAS CALMA. Deixa a gente explicar. Lembra quando a gente disse que eles eram legais? A gente aqui nem lembra quando foi. Fato é que eles já eram legais bem antes disso. E daí todo mundo percebeu. A gente, vocês, São Paulo, Rio, as festas, as marcas, e, mais do que merecida, a dupla agora parte pra conquistar a Europa. A gente aqui morre de orgulho e só torce pra que seja o começo de muita coisa boa! Venha jogar mais confete na despedida (temporária) neste domingo. Vai ser foda.

SO LET’S KEEP DANCIN’

A uruca come solta mundo afora e aqui a gente tá só ensaiando o sorriso amarelo e preparando o estoque alcóolico pra suportar as próximas horas e dias. Tá fácil não galere.

A pista que o diga - os promoters pelo visto combinaram uma sexta do fondue e deixaram o role na mão. Boa sorte, chacretinhos. De resto, a gente separou o creme (e o resto) pra você se divertir. Ou, ao menos, tentar. Se nada agradar, faça a Peggy Lee e cante com a gente: is that all… there is?!

SEXTA-FEIRA

Shuffle @ Squat

Enquanto o resto relaxa, os asiáticos mantém o estereótipos e saem na frente. A gente aqui agradece, viu? A japa mais amada da cidade aquece os corações com ritmos misturados e muito amor no Squat que vai ter drinks delicinhas pra espantar qualquer mau humor. A gente aprova e cola pra começar o finde com os dois pés direitos. Ou de quatro logo, sem dignidade nenhuma.

*

Heroína @ Purgatorium 90

A proposta é interessantinha mas a verdade é que só está aqui por falta de opção mesmo. Tá corajosa, amig? Colaê!

*

Brasucália @ Jongo Reverendo

Sua brasilidade nagô não estará desacompanhada na casa que já foi testada pela nossa equipe e já rendeu ótimos comentários iniciais. A visita oficial se aproxima e esta é a noite para você formar a sua opinião. A festa conta com a experiência de Tutu Moraes, então tá beleza, neam? Venha.

SÁBADO

Mel @ Homelete

Horário gostosinho, pra você ainda siacabar na noite, a festa começa as 19 e acaba as 2, então é pra chegar cedo, dançar como se não houvesse amanha e encher a praça de amor. Tudo isso de graça e cheio de graça, por favor. Como sempre, música boa, gente absurdinha, performance e alegria de viver em todo canto. Se fosse você não perdia.

*

Chatuba @ Squat

A única coisa que esse nome nos remete é isso aqui. Né? De resto a festa promete bagunça. O que assusta, já que a entrada masculina mais barata é 30 dilmetes. A gente aqui tá bem tranquilo, já que bagunça pode significar um leque de emoções que vão da mistura mais maravilhosa de sons improváveis para simplesmente tortura sonora. Em duas palavras: sei lá.

*

Indie Colosso @ Neu

A festa raiz tru do indie chega ao tricampeonato invicta e traz pro seu time estrelado aquele que faz nossas noites sempre mais feliz. Gorky alumiará as picapes do Neu com sua sapiência musical e quem ficar parado não sabe de na-di-nha.

*

Killing The Dance @ Mundo Pensante

Lembra quando a Killing era alguém na noite? Era na mesma época que uma das suas donas aterrorizava a noite com seu reinado nefasto. A festa acabou, a dona foi curtir um auto-exílio nazoropa e nesse período a noite, surpreendentemente… sobreviveu! Agora a festinha volta, em local novo (já que o Gloria morreu, e não pega bem ser visto por lá, néam?) e com um line-up invejável. Uma pena que a dona também retorna (ou tenta), pra estragar. A gente dispensa, e espera que tudo isso volte pra vala do esquecimento de onde nunca deveria ter saído. Not today, satan. Not today.

*



Free Beats @ Factory

O projeto completa dois anos e a comemoração não poderia ser mais do que merecida. Quem nunca foi simplesmente tá perdendo tempo (serião amigs, dois anos de várias festas grátis por aí, vai…). A festa vai ser pesada e cheia de atrações que dispensam apresentação. Vem com tudo. Cheers!

*

Nêga @ Anexo B

A Nêga é do <3 e a gente não perde por nadinha. Sair de lá pingando de tanto dançar (ou porque o ar-condicionado do Anexo não funciona direito) é regra. Venha sem critérios e se divirta sem limites.



DOMINGO

Selvagem @ Paribar

A despedida. MAS CALMA. Deixa a gente explicar. Lembra quando a gente disse que eles eram legais? A gente aqui nem lembra quando foi. Fato é que eles já eram legais bem antes disso. E daí todo mundo percebeu. A gente, vocês, São Paulo, Rio, as festas, as marcas, e, mais do que merecida, a dupla agora parte pra conquistar a Europa. A gente aqui morre de orgulho e só torce pra que seja o começo de muita coisa boa! Venha jogar mais confete na despedida (temporária) neste domingo. Vai ser foda.

(Source: nitratediva)

| 689 notes
DISK-BAFON


Uma vez, assistindo o finado Top Top MTV (#RIP), eles elegeram como uma das piores ideias da historia da musica O SOLO DE BATERIA.
Alguém avisa pra essa Mariana Bastos, que tocou na última Savannah, que solo de bateria já é uó em um show, e em uma balada é mais broxante ainda? Thanks ;*

Oi?! A gente quer mais detalhes dessa proeza da noite!!! A fofa mandou um set de solo de bateria ou ela sacou um bumbo no meio da pista e começou a batucar? De qualquer maneira… fail, hein? A gente perdeu (que pena) e quem não perdeu, pelo visto, queria ter perdido! Hahaha!

*


Amigs, adorei ver vcs sugerindo uma atitude mais Berghain pra esse povo da noite! Deixa eu contar um segredinho proceis: quando quero rir da cara das pessoas, abro o Instagram e procuro fotos pela localização da boate, daí aparecem todas as fotinhas que o povo tirou na pista, videozinhos de gente bêbada, coisas assim. Fico imaginando aquele momento único em que uma ridícula sacou o celular no meio da pista e esticou o bracinho. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Hahahaha… olha a dica praquelas noites de vida social nula e stalking na velocidade cinco. Nós, como sempre, evitamos os flashes porque conhecemos nossos passados (e presentes) e sabemos que o que acontece na pista deve permanecer por la. Mas, tem gente que vive pela foto no dia seguinte, néam? Inocentes… 

*


oi gente! td bem? olha, tem uma pessoa que não é minha bff, mas eu sempre a tratei mto bem, é a Marcelona. só que tô chatiada pq ela anda postando umas indiretas pros mais novinhos. sao uns gongos cifrados, meio pesados. vcs já viram? na verdade só quero pedir a vcs pra usar esse espaço e dizer&#8230; querida Marcelona, seu ódio contra os jovens não leva a nada. veterano legal é aquele que ensina as coisas e perpetua uma cultura. e também, envelhecer não é tabu pra ninguém, se joga sem medo! bjos!!



*


Queridos, falando em Pomba, estou de saco cheio de festa que promete rock e entrega pop, ou promete house e entrega bat-cabelo, ou promete flashback e entrega Ragatanga e por aí vai&#8230; Chega, né! Propaganda enganosa é crime. Cadê Procon clubber?

Como cadê o Procon Clubber, galere?!! TÁ AQUI!!! Foi enganado pela festa cilada? DJ não conhece Lado B de nada? Cansou dos “bonitinhos” (haja aspas) enganando geral tocando Xuxa? Mete a boca no trombone, pessoalzinho! Disk-Bafon nesse povo preguiçoso. Quem faz a noite são vocês! E vocês merecem MAIS! &lt;3

DISK-BAFON

Uma vez, assistindo o finado Top Top MTV (#RIP), eles elegeram como uma das piores ideias da historia da musica O SOLO DE BATERIA.

Alguém avisa pra essa Mariana Bastos, que tocou na última Savannah, que solo de bateria já é uó em um show, e em uma balada é mais broxante ainda? Thanks ;*

Oi?! A gente quer mais detalhes dessa proeza da noite!!! A fofa mandou um set de solo de bateria ou ela sacou um bumbo no meio da pista e começou a batucar? De qualquer maneira… fail, hein? A gente perdeu (que pena) e quem não perdeu, pelo visto, queria ter perdido! Hahaha!

*

Amigs, adorei ver vcs sugerindo uma atitude mais Berghain pra esse povo da noite! Deixa eu contar um segredinho proceis: quando quero rir da cara das pessoas, abro o Instagram e procuro fotos pela localização da boate, daí aparecem todas as fotinhas que o povo tirou na pista, videozinhos de gente bêbada, coisas assim. Fico imaginando aquele momento único em que uma ridícula sacou o celular no meio da pista e esticou o bracinho. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Hahahaha… olha a dica praquelas noites de vida social nula e stalking na velocidade cinco. Nós, como sempre, evitamos os flashes porque conhecemos nossos passados (e presentes) e sabemos que o que acontece na pista deve permanecer por la. Mas, tem gente que vive pela foto no dia seguinte, néam? Inocentes…

*

oi gente! td bem? olha, tem uma pessoa que não é minha bff, mas eu sempre a tratei mto bem, é a Marcelona. só que tô chatiada pq ela anda postando umas indiretas pros mais novinhos. sao uns gongos cifrados, meio pesados. vcs já viram? na verdade só quero pedir a vcs pra usar esse espaço e dizer… querida Marcelona, seu ódio contra os jovens não leva a nada. veterano legal é aquele que ensina as coisas e perpetua uma cultura. e também, envelhecer não é tabu pra ninguém, se joga sem medo! bjos!!

*

Queridos, falando em Pomba, estou de saco cheio de festa que promete rock e entrega pop, ou promete house e entrega bat-cabelo, ou promete flashback e entrega Ragatanga e por aí vai… Chega, né! Propaganda enganosa é crime. Cadê Procon clubber?

Como cadê o Procon Clubber, galere?!! TÁ AQUI!!! Foi enganado pela festa cilada? DJ não conhece Lado B de nada? Cansou dos “bonitinhos” (haja aspas) enganando geral tocando Xuxa? Mete a boca no trombone, pessoalzinho! Disk-Bafon nesse povo preguiçoso. Quem faz a noite são vocês! E vocês merecem MAIS! <3

(Source: scorpiondagger)

| 10,806 notes

JÁ É SEGUNDA-FEIRA DE NOVO?!

Amizadch… deixa a gent te contar uma coisinha. Sente só essa ressaca que paira no ar. É um país inteiro se recuperando de um mês todinho de festa, saca? 

A Dilma já liberou milhões pro Bolsa-Engov, tá sabendo? Já que nosso estoque de KY e Hipoglós acabou depois de tanta enrabada alemã. Pelo menos eles são gentlemen, e dão beijinho de despedida, dizem que vão ligar no dia seguinte e deixam RESORT de presente. Assim, a gente deixa levar taça, neam? Foda-se o país do futebol, a gente aqui quer mais é festa.

É nesse clima (porque ninguém aqui era o primeiro a ser escolhido no time da escola) que vem a nossa trilha. Brasileira, pero no mucho, com o “DJ TOP de Berlim”. Vem que tá divertido pacas e não deixa a peteca da fulecagem nacional cair.

E bola pra frente que 2016 taí. E sabe o que tem? Olimpíadas no Rio.

| 3 notes

DIVIRTA-SE!!!

Parem as impressoras, putada! O Boatismo chega com as últimas das últimas das festas mais difíceis de achar pra você, que como a gente, tá bem de buenas de festa bosta.

Aqui só tem firmeza, aquelas que a gente aposta, se joga de olhos fechados e bracinhos pra cima.

Não seja a 16ª pessoa enganada. Aqui a informação é quentinha e não enrola o peixe de amanhã. Vem que ta foda:

SEXTA-FEIRA

Selvagem @ 1 ½

Vamos jogar a real: essa sexta tá mais emocionante que final de Copa. E o Boatismo dos Boatismos acontece no Joia onde nossos corações se dividem quando duas das nossas festas favoritas ocupam (quase) o mesmo espaço. Na pistinha, Selvagem e selvagetes com participação especial de Renato Cohen. Serião amigs, como não se divertir. Se sua noite não começar por aqui ela simplesmente não vai começar.

*

Savannah @ Cine Joia

Descendo a escadaria do cinema, na pista principal, o clima muda, mas a animação, não. A minha, a sua, a nossa Savannah faz aniversário e vem com tudo e vem sempre cheia de hits de hoje, de ontem, de sempre. A gente espera que role uma melhora na sapiência do público para que a gente não dance sozinho quando o Léo mandar um Hedwig, okrrr? Brinks, amigs, vamos ser felizes em todos os cantos do Joia hoje! Parabéns, Savannah, a gente quer muitos anos mais!

*

Heat @ Squat Bar

The heat is on. On the street. Inside your head. On every beat. A gente aqui ama a festinha, ama o clima de amigs, aprendeu a amar o bar e tá cada dia mais convencido de que dias melhores virão e que, parte disso é responsabilidade desse povo querido da Heat. Vem que vai ser fervo.

*

Extravaganza @ Bar Fama

Continuamos amando a festa, continuamos com medo dos bueiros onde ela se mete. A gente merece mais. E ela (a gente acha) também. Somos trus, mas né? Peralá.

*

Hot Pente @ Jongo Reverendo

Estreando nas apostas, a festinha que está na sua terceira edição é novidade pra gente (e pra vocês também, não mintam) e ao que tudo indica, vai ficar por aqui por uns tempos. Vai rolar de um tudo: hip hop, black music, graffiti ao vivo, latinidades, skate humano… um fuá. Se restar saúde nessa batalha de titãs da noite, a gente confere e conta tudo depois!

SÁBADO

Green Sunset @ MIS

A festinha que já foi tudo de bom dessa cidade aparentemente não quer largar o osso e vem com uma tal de “versão rocker”. O line-up até que tá ok, mas se é pra fazer isso não seria melhor parar, mexer e começar de novo? É muito chato quando as festas são postas no respirador artificial ao invés de simplesmente serem deixadas partir. Let it go. Let it gooooo….

*

Selvagem @ Beats Lounge

A gente jura que não quer ser repetitivo mas lembre-se que somos apenas um reflexo da noitch, amigs. Se você perdeu a dupla ontem, pode acompanhá-los em Pinheiros, no lounge da cerveja! É de graça, começa cedo (18h00). E, segundo a própria casa a dupla “acumula prêmios de Melhor Pista e Melhor Festa por aí”. Por aí?! Really, Skol Beats Lounge?

*

Metanol @ Factory

Aí você esquentou com Selvagem, aí você dá um passo e já está na Metanol. Simples não? A jogação é irmã da zueira e também não tem limites. Vem disposto que a vida é muito curta pra disperdiçar com festa ruim.

*

Swag 011 @ Bar Secreto

Se é hip hop que você quer, é hip hop que você vai ter. Open bar de aba reta e Guab fazendo set de rap pra você relembrar seus tempos de Milo. Vem ser nostálgico que tá usando.

(Source: elliegoldeen, via dragofficial)

| 4,676 notes
DISK-BAFON

Olha, eu sei que vocês amam a Recalque e já vi vocês em muitas ali do lado das caixas de som (e já inclusive quis pegar alguns de vocês pq são lindos, rsrsrsrs) mas a gente vai ter que concordar em alguns ponto, né?
1-as caixas de som do Joia: eu não sei se eu que to ficando velho mas o bagulho ali tá foda, gente, não dá pra ficar perto, grave, agudo, tudo cagado. HALP
2-O que foi o Pomba MATANDO a pista com uns indies de 2003? Sério mesmo?
3-Na edição “Mean Girls”: SDDS trio milano fazendo “jingle bells”.

Tá, vamos lá: primeiramente, gracias pelos elogios, a gente repassa o correio elegantch pros integrantes solteiros do Boatismo. ;)
As caixas de som realmente andam insuportáveis. A gente acha que é só um caso de equalização e o pessoal do Joia é capaz de resolver isso rapidinho. NÉ JOIA?!
Muita gente aqui cresceu na pistinha d’Alôca dançando os “Pomba Hits”, mas alguma coisa aconteceu ali nos últimos anos e o querido tá realmente precisando de uma intervenção, gente. Mandar uma sequência indie-universitário-vintage numa festa que promete estouro de calcinha já é erro de briefing sem perdão. Quando essa sequência tem “Kings of Leon” então…VIXE. Pomba, a gente TE AMA, mas isso não significa que você vai passar ileso. A gente não curtiu. E a pista - parada - também não.

E nosso único comentário sobre a apresentação da edição Mean Girls vai ser: “Balé do Faustão Realness”. Hahahaha.

De qualquer forma, nada disso torna a Recalque uma festa pior. Ela continua firme e forte AND a melhor festa pop da cidade. As invejosas continuam copiando, se mordendo e querendo ter metade do público (sucesso) da festa. A gente é cativo e vamos continuar vendo a festa arrasando, melhorando, crescendo e se superando. Só quem já saiu re-energizado de uma Recalque sabe o que a gente quer dizer. Quem não sabe, é só encontrar com a gente, não tão perto das caixas da direita, por enquanto… hehe ;)
*

Pessoal, discorram sobre: Lions abrindo as portas para festas do tipo Metanol e TôQTô. Seria uma saída para uma possível decadência do lugar ou uma forma de inovar as festas “batidas” que acontecem desde a sua abertura? Tá na hora do clube rever seus conceitos (e preços rsrs)?

Olha, haterzinho… se esse é seu conceito de “decadência”, então tudo bem, né? O que acontece é que camarão que dorme a onda leva e o Lions, como qualquer casa, sabe bem disso. Claro que conceitos se diluem com o passar do anos e é preciso pagar as contas no final do mês. Mas até aí… qual o problema?! A gente quer ver o lugar sendo ocupado por essas festas BAFOS e outras tão boas quanto! Vida longa ao Lions, Metanol, TôQTô e quem mais aparecer por lá!

DISK-BAFON

Olha, eu sei que vocês amam a Recalque e já vi vocês em muitas ali do lado das caixas de som (e já inclusive quis pegar alguns de vocês pq são lindos, rsrsrsrs) mas a gente vai ter que concordar em alguns ponto, né?

1-as caixas de som do Joia: eu não sei se eu que to ficando velho mas o bagulho ali tá foda, gente, não dá pra ficar perto, grave, agudo, tudo cagado. HALP

2-O que foi o Pomba MATANDO a pista com uns indies de 2003? Sério mesmo?

3-Na edição “Mean Girls”: SDDS trio milano fazendo “jingle bells”.

Tá, vamos lá: primeiramente, gracias pelos elogios, a gente repassa o correio elegantch pros integrantes solteiros do Boatismo. ;)

As caixas de som realmente andam insuportáveis. A gente acha que é só um caso de equalização e o pessoal do Joia é capaz de resolver isso rapidinho. NÉ JOIA?!

Muita gente aqui cresceu na pistinha d’Alôca dançando os “Pomba Hits”, mas alguma coisa aconteceu ali nos últimos anos e o querido tá realmente precisando de uma intervenção, gente. Mandar uma sequência indie-universitário-vintage numa festa que promete estouro de calcinha já é erro de briefing sem perdão. Quando essa sequência tem “Kings of Leon” então…VIXE. Pomba, a gente TE AMA, mas isso não significa que você vai passar ileso. A gente não curtiu. E a pista - parada - também não.

E nosso único comentário sobre a apresentação da edição Mean Girls vai ser: “Balé do Faustão Realness”. Hahahaha.

De qualquer forma, nada disso torna a Recalque uma festa pior. Ela continua firme e forte AND a melhor festa pop da cidade. As invejosas continuam copiando, se mordendo e querendo ter metade do público (sucesso) da festa. A gente é cativo e vamos continuar vendo a festa arrasando, melhorando, crescendo e se superando. Só quem já saiu re-energizado de uma Recalque sabe o que a gente quer dizer. Quem não sabe, é só encontrar com a gente, não tão perto das caixas da direita, por enquanto… hehe ;)

*

Pessoal, discorram sobre: Lions abrindo as portas para festas do tipo Metanol e TôQTô. Seria uma saída para uma possível decadência do lugar ou uma forma de inovar as festas “batidas” que acontecem desde a sua abertura? Tá na hora do clube rever seus conceitos (e preços rsrs)?

Olha, haterzinho… se esse é seu conceito de “decadência”, então tudo bem, né? O que acontece é que camarão que dorme a onda leva e o Lions, como qualquer casa, sabe bem disso. Claro que conceitos se diluem com o passar do anos e é preciso pagar as contas no final do mês. Mas até aí… qual o problema?! A gente quer ver o lugar sendo ocupado por essas festas BAFOS e outras tão boas quanto! Vida longa ao Lions, Metanol, TôQTô e quem mais aparecer por lá!

LET’S PLAY | PLAYGROUND BAR | 27.06.14  
Algumas semanas atrás foi requisitada à equipe mais que animada do Boatismo uma visitinha - sem compromisso - ao Playground Bar.
Curiosos que somos, não pudemos declinar à proposta.   
Além da curiosidade inerente ao grupo, existia também a necessidade de sanar as dúvidas acerca do empreendimento que ocupa o famoso número 765 da Rua Augusta. Desde a época anterior a seu lançamento, a casa foi coberta de especulações, notícias e fofocas que sem dúvida prejudicaram a identidade do clube e deixou os boatistas da cidade confusos. Mais de uma vez a casa e suas festas foram temas de discussões acaloradas em nossa comunidade e sempre acabavam perdendo&#8230;  
O que se espalhava aos quatro cantos era que o mesmo imóvel onde viveu o amado Clube Vegas seria ocupado por um moderníssimo clube de sexo. Sim, amigues. O rendez-vous, o vuco-vuco, a concubinagem, a esbórnia iriam tomar a buatchy. E mais: a casa, honrando o nome, contaria com um ~parquinho~: gangorra, trepa-trepa e tudo mais que a sua imaginação pueril pudesse conceber.  

De pronto, a culpa-cristã da sociedade normativa boatista paulistana (na qual as vezes a gente ainda se vê preso) torceu o nariz e a casa foi impiedosamente ignorada. Em nossa defesa, o recinto não parecia mesmo interessado em pertencer ao panteão da noite paulistana e talvez estivesse mais próximo conceitualmente de outros mocós (famosos e bastante frequentados - não mintam, amigos): 269, Chilli Pepper, Splash&#8230; locais onde o público não está necessariamente procurando dançar (pelo menos não do jeito que o resto dos clubes pretende). Assim, a gente passou batido pelo Play mermo.  ¯\_(ツ)_/¯  
Mas, diferente dos outros espaços que sempre preferiram locais estrategicamente discretos, o Playground acontece na rua mais movimentada da noite paulistana. E a chance de você ser visto entrando ali pelo seu chefe, estagiário, cliente, primo, amigo da vizinha do irmão do cunhado do porteiro do prédio da sua amiga é enorme. A verdade é que, ainda (e infelizmente) pra muitos, sexo é tabu. Principalmente quando praticado na rua. Uma triste ironia na “Rua das Putas”. Haja Freud nessa galera.  
Dentro deste panorama, o Playground investiu em noites diversificadas, ainda apostando no clima “naughty” para mostrar que ninguém ia arrancar a sua roupa na entrada e enfiar nada nos seus orifícios (a menos que você queira, claro). E é aí que a gente entra: bora desmistificar o rolê, galere!  
O convite foi encarado pela nossa equipe porque, além de ninguém pagar nossas contas, qualquer boate que aceitar nossa humilde opinião é mais do que bem vinda e encorajada a nos chamar. Estamos sempre dispostos a novas aventuras, pessoalzinho! Fica a dica, promoters! ;)  
A escolha da noite acabou sendo randômica e a gente caiu em uma com som bom. Não podemos garantir essa constância, mas já ficamos bem mais aliviados por não termos nossos ouvidos violentados como em tantos bueiros por aí.  

 Logo de cara as mudanças que a casa sofreu são perceptíveis. Se o charme do cassino se foi, por outro lado a casa ganhou mais espaço e utilizado de forma muito mais inteligente. Só de lembrar o sufoco dos caixas do Vegas a gente aqui treme. Esqueçam esse perrengue, amigs. A entrada ganhou amplitude, assim como a saída. De resto, podemos contar com a mesma estrutura fácil e receptiva do finado clube. Bar sempre próximo, banheiros mais do que suficientes (com aquela micro-portinha misteriosa que a gente ju-ra que dá na cabeça do John Malkovich - ou seria na do Facundo?) e o amado e saudoso jardim que tanto nos recebeu com drinks, amigos e bafos memoráveis. Tudo lá, limpinho, organizado e pronto pra receber quem bem entender.  
E aí reside o problema: a casa não recebe. Ou melhor: recebe os DJs, seus amigos e convidados e um e outro gato pingado cheio de “amor pra dar” e que acredita no papo de “clube de sexo”. Esses, pelo visto (e pelo público blasé) acabaram na mão. Literalmente.  

A verdade é que apesar de não convencer como “casa pra trepar”, a fama pegou e agora ninguém quer deitar na cama. Toda a cidade acreditou no hype e, apesar de não comprar a ideia, continua imaginando as milhares de orgias que teoricamente acontecem no espaço.   
Spoiler alert: elas não acontecem.   
A maior prova de que o Playground é um “Clube de Sexo Pra Quem Não Transa” é o cineminha que a casa montou no inútil hall que antecedia o banheiro superior. Para uma casa que se propõe a safadeza permitida, as poltronas com braços fixos são um tremenda de uma broxada. Porra, Play, até o Cinemark ajuda mais na pegação que vocês!   
A esbórnia propriamente dita tem (um único) espaço permitido na casa. Na única grande alteração espacial do local, a pista-inferninho-sub-solo virou dark-room/labirinto, onde casais e outras formações podem se atracar sem medo e sem pudor. E, apesar do baixo quórum no dia da visita, este foi com certeza o pedaço de maior concentração de público. Pelo menos alguém anda usando o clube, néam?  
A impressão que fica é de mais uma casa que não sabe o que quer, patina em sua própria identidade, e no desespero, apela para conceitos extremos: de Clube de Sexo para Vegas 2. E nenhuma vai funcionar, amigs. Sry.  
Entretanto, se tem uma coisa boa nessa vida é que nada precisa ser preto no branco. E há muito mais do que 50 tons de cinza nessa escala marota que é a diversão noturna.   
A casa pode muito bem se tornar um espaço de diversão sem limites se realmente estiver disposta a encarar o personagem. E pra isso vai ter que mergulhar nas inúmeras possibilidades que o fetichismo permite sem necessariamente se limitar a qualquer uma delas. O que não falta é casa de burlesco no mundo para refrescar a busca por referências e ideias inovadoras dentro deste universo. Sendo sexy AND sendo vulgar, porque a gente curte uma putaria mesmo. Sempre, claro, sem descuidar da programação musical. A casa merece mais e o público precisa usar (e abusar) da pista espaçosa do Play.  
Ah! Dica: seríamos os primeiros da fila num belíssimo show da Dita Von Teese (que jamais poderia acontecer em qualquer outro lugar da cidade).
É só acreditar no hype, Playground. Todo mundo já acreditou, só bastam vocês.   
&#8212;&#8212;  
Muito bem, nota cem: A gente foi procurar sensualidade e encontramos o melhor Cosmopolitan da cidade. Apesar da carta de drinks simplinha, o bar esconde o tesouro que é sucesso entre as amigas chipinhas. Mil likes!  
Barrados no Baile: o fotógrafo no pior estilo paparazzo praticamente pulando nos pouquíssimos presentes pra &#8220;eternizar o momento&#8221;. Demorou para algum clube importar a proposta do Berghain e banir a fotografia de balada, ok? Seja o primeiro, Play.

LET’S PLAY | PLAYGROUND BAR | 27.06.14  

Algumas semanas atrás foi requisitada à equipe mais que animada do Boatismo uma visitinha - sem compromisso - ao Playground Bar.

Curiosos que somos, não pudemos declinar à proposta.   

Além da curiosidade inerente ao grupo, existia também a necessidade de sanar as dúvidas acerca do empreendimento que ocupa o famoso número 765 da Rua Augusta. Desde a época anterior a seu lançamento, a casa foi coberta de especulações, notícias e fofocas que sem dúvida prejudicaram a identidade do clube e deixou os boatistas da cidade confusos. Mais de uma vez a casa e suas festas foram temas de discussões acaloradas em nossa comunidade e sempre acabavam perdendo…  

O que se espalhava aos quatro cantos era que o mesmo imóvel onde viveu o amado Clube Vegas seria ocupado por um moderníssimo clube de sexo. Sim, amigues. O rendez-vous, o vuco-vuco, a concubinagem, a esbórnia iriam tomar a buatchy. E mais: a casa, honrando o nome, contaria com um ~parquinho~: gangorra, trepa-trepa e tudo mais que a sua imaginação pueril pudesse conceber.  

De pronto, a culpa-cristã da sociedade normativa boatista paulistana (na qual as vezes a gente ainda se vê preso) torceu o nariz e a casa foi impiedosamente ignorada. Em nossa defesa, o recinto não parecia mesmo interessado em pertencer ao panteão da noite paulistana e talvez estivesse mais próximo conceitualmente de outros mocós (famosos e bastante frequentados - não mintam, amigos): 269, Chilli Pepper, Splash… locais onde o público não está necessariamente procurando dançar (pelo menos não do jeito que o resto dos clubes pretende). Assim, a gente passou batido pelo Play mermo.  ¯\_(ツ)_/¯  

Mas, diferente dos outros espaços que sempre preferiram locais estrategicamente discretos, o Playground acontece na rua mais movimentada da noite paulistana. E a chance de você ser visto entrando ali pelo seu chefe, estagiário, cliente, primo, amigo da vizinha do irmão do cunhado do porteiro do prédio da sua amiga é enorme. A verdade é que, ainda (e infelizmente) pra muitos, sexo é tabu. Principalmente quando praticado na rua. Uma triste ironia na “Rua das Putas”. Haja Freud nessa galera.  

Dentro deste panorama, o Playground investiu em noites diversificadas, ainda apostando no clima “naughty” para mostrar que ninguém ia arrancar a sua roupa na entrada e enfiar nada nos seus orifícios (a menos que você queira, claro). E é aí que a gente entra: bora desmistificar o rolê, galere!  

O convite foi encarado pela nossa equipe porque, além de ninguém pagar nossas contas, qualquer boate que aceitar nossa humilde opinião é mais do que bem vinda e encorajada a nos chamar. Estamos sempre dispostos a novas aventuras, pessoalzinho! Fica a dica, promoters! ;)  

A escolha da noite acabou sendo randômica e a gente caiu em uma com som bom. Não podemos garantir essa constância, mas já ficamos bem mais aliviados por não termos nossos ouvidos violentados como em tantos bueiros por aí.  

 Logo de cara as mudanças que a casa sofreu são perceptíveis. Se o charme do cassino se foi, por outro lado a casa ganhou mais espaço e utilizado de forma muito mais inteligente. Só de lembrar o sufoco dos caixas do Vegas a gente aqui treme. Esqueçam esse perrengue, amigs. A entrada ganhou amplitude, assim como a saída. De resto, podemos contar com a mesma estrutura fácil e receptiva do finado clube. Bar sempre próximo, banheiros mais do que suficientes (com aquela micro-portinha misteriosa que a gente ju-ra que dá na cabeça do John Malkovich - ou seria na do Facundo?) e o amado e saudoso jardim que tanto nos recebeu com drinks, amigos e bafos memoráveis. Tudo lá, limpinho, organizado e pronto pra receber quem bem entender.  

E aí reside o problema: a casa não recebe. Ou melhor: recebe os DJs, seus amigos e convidados e um e outro gato pingado cheio de “amor pra dar” e que acredita no papo de “clube de sexo”. Esses, pelo visto (e pelo público blasé) acabaram na mão. Literalmente.  

A verdade é que apesar de não convencer como “casa pra trepar”, a fama pegou e agora ninguém quer deitar na cama. Toda a cidade acreditou no hype e, apesar de não comprar a ideia, continua imaginando as milhares de orgias que teoricamente acontecem no espaço.   

Spoiler alert: elas não acontecem.   

A maior prova de que o Playground é um “Clube de Sexo Pra Quem Não Transa” é o cineminha que a casa montou no inútil hall que antecedia o banheiro superior. Para uma casa que se propõe a safadeza permitida, as poltronas com braços fixos são um tremenda de uma broxada. Porra, Play, até o Cinemark ajuda mais na pegação que vocês!   

A esbórnia propriamente dita tem (um único) espaço permitido na casa. Na única grande alteração espacial do local, a pista-inferninho-sub-solo virou dark-room/labirinto, onde casais e outras formações podem se atracar sem medo e sem pudor. E, apesar do baixo quórum no dia da visita, este foi com certeza o pedaço de maior concentração de público. Pelo menos alguém anda usando o clube, néam?  

A impressão que fica é de mais uma casa que não sabe o que quer, patina em sua própria identidade, e no desespero, apela para conceitos extremos: de Clube de Sexo para Vegas 2. E nenhuma vai funcionar, amigs. Sry.  

Entretanto, se tem uma coisa boa nessa vida é que nada precisa ser preto no branco. E há muito mais do que 50 tons de cinza nessa escala marota que é a diversão noturna.   

A casa pode muito bem se tornar um espaço de diversão sem limites se realmente estiver disposta a encarar o personagem. E pra isso vai ter que mergulhar nas inúmeras possibilidades que o fetichismo permite sem necessariamente se limitar a qualquer uma delas. O que não falta é casa de burlesco no mundo para refrescar a busca por referências e ideias inovadoras dentro deste universo. Sendo sexy AND sendo vulgar, porque a gente curte uma putaria mesmo. Sempre, claro, sem descuidar da programação musical. A casa merece mais e o público precisa usar (e abusar) da pista espaçosa do Play.  

Ah! Dica: seríamos os primeiros da fila num belíssimo show da Dita Von Teese (que jamais poderia acontecer em qualquer outro lugar da cidade).

É só acreditar no hype, Playground. Todo mundo já acreditou, só bastam vocês.   

——  

Muito bem, nota cem: A gente foi procurar sensualidade e encontramos o melhor Cosmopolitan da cidade. Apesar da carta de drinks simplinha, o bar esconde o tesouro que é sucesso entre as amigas chipinhas. Mil likes!  

Barrados no Baile: o fotógrafo no pior estilo paparazzo praticamente pulando nos pouquíssimos presentes pra “eternizar o momento”. Demorou para algum clube importar a proposta do Berghain e banir a fotografia de balada, ok? Seja o primeiro, Play.

| 2 notes

JÁ É SEGUNDA-FEIRA DE NOVO?!

Sem drama, putada. Bora aproveitar a última semana de moleza da vida. E deixa o choro pra segunda que vem (sem Copa, já pensou?)

Dá o play, afasta as paredes da baia e transforma a firma em pista!

<3

CONTINUA TENU!
Olha amiguinhos, tá tendo de um tudo mesmo. É tanta emoção, tanta torcida, tanto tremoço, tanta cerveja, tanto tudo que a gente até esqueceu que ontem era sexta-feira e quando vimos, estavamos perdidos no meio do povo sem acesso (e sem condições) de apostar em qualquer coisa. Ainda bem que a noite paulistana (essa fofa) colaborou com uma sexta raquítica de opções. Ufa.
Mas hoje é sábado e TEM. Tem boate pra cacete e a gente veio aqui, entre uma caipirinha e outra dar o texto do finde. Preparem as emoções e vem com a gente.

SÁBADO

Le Temps Suspendu @ Red Bull Station
Dudu Tsuda é gênio, ponto final. Dito isso, é mais do que sua obrigação ser uma das 70 pessoas que irão acompanhar a apresentação do performer no topo do Station. Não se anime demais: o lance aqui não é boate, mas é bom demais pra se perder (e o público vai ser dos melhores).

*

G.O.M.A @ Skol Factory
A festa mora no nosso coraçãozinho desde quando era pequenininha. Hoje ela cresceu e acontece na Factory e continua arrebatando fãs, público e a atenção de quem ainda não entendeu que aqui o bicho pega. Vem que tá tudo garantido.

*

Muscles Cavern @ Mundo Pensante
Aquelas esquisitices que a gente tanto curte, misturada com pessoinhas interessantes e muito exotismo que te fazem parecer interessantes pro pessoal da firma. Vem ser diferentch com a gente.

*

Pracinha @ Neu
A gente já falou mais de uma vez: a Pracinha é o que há. Aí eles chegam com gringo na parada e é só correr pro abraço. Sem delongas, a noite vai ser épica, Mr. Tourbin vale a viagem e o Neu é sempre uma joia, néam?

*

Mironga @ Jong Reverendo
O tambor bate mais forte hoje na Vila. E quem quiser descarregar toda a zica da semana, já sabe o endereço. Vem sacodir a poeira no fundo do quintal e rebolar seus problemas pra bem longe. Só alegria.

*

Tô Q Tô @ Lion Nightclub
O Brasil tá mais na moda que azeitona na empada e o mailing aqui, disseram, tem várias estrelinhas e sublinhados que valem a viagem até “a” varanda. Tá esperando o que? Só chegar, linda.

*

Funfarra @ Cine Joia
A gente diz “meh”, mas tem quem curta e tem quem diz que aqui é pra dançar, sensualizar e sair casado. Se Santo Antônio ficou te devendo um par no mês passado é hora de cobrar com JUROS. Venha e torça pra que nossos observadores não estejam de brinks.

DOMINGO

Cinematographo @ MIS
Sempre tem aquele peguete novinho que nunca viu Magico de Oz + Pink Floyd pra convidar e mostrar que você “manja”. Se colar, colou. De todo modo é divertido (ainda). Vem que tem.

*

Festa Junina @ Igreja do Calvário
Nossa Senhora do Neon Perpétuo, rogai por nós e nos dê mais dois meses de guloseimas juninas, amem! Junho passou que nem foguete (essa tal de Copa fodeu o rolê Quermesse) e a gente ganhou prorrogação - por enquanto. Não marque bobeira e venha comer até sair rolando junto com o público mais moderno que essa paróquia já viu.

*

Sunday Sessions @ Skol Lounge
Sobrou energia, rapaziada? Puxa vida, que animação! Venha queimar os últimos cartuchos em Pinheiros com um monte de DJ bom tocando até meia-noite. Vai ter venda de vinil e toda aquela gente querida que a gente tanto ama. Pra fechar o finde bem e esperar o feriado que tá logo ali!

CONTINUA TENU!

Olha amiguinhos, tá tendo de um tudo mesmo. É tanta emoção, tanta torcida, tanto tremoço, tanta cerveja, tanto tudo que a gente até esqueceu que ontem era sexta-feira e quando vimos, estavamos perdidos no meio do povo sem acesso (e sem condições) de apostar em qualquer coisa. Ainda bem que a noite paulistana (essa fofa) colaborou com uma sexta raquítica de opções. Ufa.

Mas hoje é sábado e TEM. Tem boate pra cacete e a gente veio aqui, entre uma caipirinha e outra dar o texto do finde. Preparem as emoções e vem com a gente.

SÁBADO

Le Temps Suspendu @ Red Bull Station

Dudu Tsuda é gênio, ponto final. Dito isso, é mais do que sua obrigação ser uma das 70 pessoas que irão acompanhar a apresentação do performer no topo do Station. Não se anime demais: o lance aqui não é boate, mas é bom demais pra se perder (e o público vai ser dos melhores).

*

G.O.M.A @ Skol Factory

A festa mora no nosso coraçãozinho desde quando era pequenininha. Hoje ela cresceu e acontece na Factory e continua arrebatando fãs, público e a atenção de quem ainda não entendeu que aqui o bicho pega. Vem que tá tudo garantido.

*

Muscles Cavern @ Mundo Pensante

Aquelas esquisitices que a gente tanto curte, misturada com pessoinhas interessantes e muito exotismo que te fazem parecer interessantes pro pessoal da firma. Vem ser diferentch com a gente.

*

Pracinha @ Neu

A gente já falou mais de uma vez: a Pracinha é o que há. Aí eles chegam com gringo na parada e é só correr pro abraço. Sem delongas, a noite vai ser épica, Mr. Tourbin vale a viagem e o Neu é sempre uma joia, néam?

*

Mironga @ Jong Reverendo

O tambor bate mais forte hoje na Vila. E quem quiser descarregar toda a zica da semana, já sabe o endereço. Vem sacodir a poeira no fundo do quintal e rebolar seus problemas pra bem longe. Só alegria.

*

Tô Q Tô @ Lion Nightclub

O Brasil tá mais na moda que azeitona na empada e o mailing aqui, disseram, tem várias estrelinhas e sublinhados que valem a viagem até “a” varanda. Tá esperando o que? Só chegar, linda.

*

Funfarra @ Cine Joia

A gente diz “meh”, mas tem quem curta e tem quem diz que aqui é pra dançar, sensualizar e sair casado. Se Santo Antônio ficou te devendo um par no mês passado é hora de cobrar com JUROS. Venha e torça pra que nossos observadores não estejam de brinks.

DOMINGO

Cinematographo @ MIS

Sempre tem aquele peguete novinho que nunca viu Magico de Oz + Pink Floyd pra convidar e mostrar que você “manja”. Se colar, colou. De todo modo é divertido (ainda). Vem que tem.

*

Festa Junina @ Igreja do Calvário

Nossa Senhora do Neon Perpétuo, rogai por nós e nos dê mais dois meses de guloseimas juninas, amem! Junho passou que nem foguete (essa tal de Copa fodeu o rolê Quermesse) e a gente ganhou prorrogação - por enquanto. Não marque bobeira e venha comer até sair rolando junto com o público mais moderno que essa paróquia já viu.

*

Sunday Sessions @ Skol Lounge

Sobrou energia, rapaziada? Puxa vida, que animação! Venha queimar os últimos cartuchos em Pinheiros com um monte de DJ bom tocando até meia-noite. Vai ter venda de vinil e toda aquela gente querida que a gente tanto ama. Pra fechar o finde bem e esperar o feriado que tá logo ali!

| 1 note
DISK-BAFON


olha, só queria dizer q ontem acabei levado por amigos numa festa no gloria (jamais chamarei de outro nome) e me arrependi amargamente! Só entrei pq era voto vencido e pq era open bar. Cheguei lá dentro e: Kd os espelhos? Socorro! Que pintura é essa? Quer dizer, que falta de pintura é essa? NUNCA MAIS NA MINHA VIDA volto a frequentar um lugar que vcs não indicam… tanto que dei check in e falava lá: BEM VINDO DE VOLTA, FAZ 2 ANOS Q VC NÃO VEM AQUI! hahahahhha

PS: open bar de itaipava, orloff e tequila fake, que na verdade era cachaça com corante.


Muy amigo a pessoa que te leva no Glor&#8230;ops, Templo Club! Fica aqui o nosso BEM-FEITO e a recomendação pra reavaliar suas amizades. Hahaha… brincadeira, amig, só rindo (e muito) desse zumbi na noite que é a Tumba do Hidalgo. Confia na gente na próxima e fica a no mínimo 100 metros de distância desse ebó!

* 


Recebi em meu e-mail um spam, digo, convite de uma festa no D-edge chamada&#8230; bem, não vou fazer propaganda gratuita, mas é uma festa que quer ser fina, pois acontece no &#8220;lounge vip&#8221; da boate, paralelamente à outra festa que rola nas demais pistas. Só que o texto do convite é tão, mas tão, mas tãããooo longo que resolvi contar: 557 palavras, 3.080 caracteres!!! Por que será que algumas festas precisam de tanto texto? Em breve teremos livros-flyer? Isso é algum programa do Ministério da Educação?


Hahahahaha… ai audiência linda. Só vocês pra animar a gente. A noite é tanto truque que sim, as vezes precisa de texto, poesia, PPT, monografia pra convencer o povo a comparecer. Sem falar nos “conceitos”, né? A gente tá até querendo incluir umas categorias novas no Troféu Boatismo de 2014: Conceito, Evolução, Adereços… putz… virou Carnaval, néam?

*


A Trackers fechou!!!

E..?

DISK-BAFON

olha, só queria dizer q ontem acabei levado por amigos numa festa no gloria (jamais chamarei de outro nome) e me arrependi amargamente! Só entrei pq era voto vencido e pq era open bar. Cheguei lá dentro e: Kd os espelhos? Socorro! Que pintura é essa? Quer dizer, que falta de pintura é essa? NUNCA MAIS NA MINHA VIDA volto a frequentar um lugar que vcs não indicam… tanto que dei check in e falava lá: BEM VINDO DE VOLTA, FAZ 2 ANOS Q VC NÃO VEM AQUI! hahahahhha

PS: open bar de itaipava, orloff e tequila fake, que na verdade era cachaça com corante.

Muy amigo a pessoa que te leva no Glor…ops, Templo Club! Fica aqui o nosso BEM-FEITO e a recomendação pra reavaliar suas amizades. Hahaha… brincadeira, amig, só rindo (e muito) desse zumbi na noite que é a Tumba do Hidalgo. Confia na gente na próxima e fica a no mínimo 100 metros de distância desse ebó!

*

Recebi em meu e-mail um spam, digo, convite de uma festa no D-edge chamada… bem, não vou fazer propaganda gratuita, mas é uma festa que quer ser fina, pois acontece no “lounge vip” da boate, paralelamente à outra festa que rola nas demais pistas. Só que o texto do convite é tão, mas tão, mas tãããooo longo que resolvi contar: 557 palavras, 3.080 caracteres!!! Por que será que algumas festas precisam de tanto texto? Em breve teremos livros-flyer? Isso é algum programa do Ministério da Educação?

Hahahahaha… ai audiência linda. Só vocês pra animar a gente. A noite é tanto truque que sim, as vezes precisa de texto, poesia, PPT, monografia pra convencer o povo a comparecer. Sem falar nos “conceitos”, né? A gente tá até querendo incluir umas categorias novas no Troféu Boatismo de 2014: Conceito, Evolução, Adereços… putz… virou Carnaval, néam?

*

A Trackers fechou!!!

E..?

(Source: nitratediva)

| 893 notes